OUÇA DIARIAMENTE GRITOS DE ALERTA

SOCIEDADE BÍBLICA


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

E O PIOR É QUE MUITOS CRISTÃOS VOTARAM NELA - ELES QUEREM UM GOVERNO MUNDIAL


A presidente Dilma Rousseff ao lado do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama (Foto: Roberto Stuckert Filho / Presidência)Em reunião do G20, Dilma defende piso global de renda

Presidente apoiou proposta apresentada pela OIT aos líderes mundiais.
'Tem efeito inequívoco contra a crise', disse Dilma Rousseff.

A presidente Dilma Rousseff cumprimenta o
presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao
lado do ministro Guido Mantega (Foto: Roberto
Stuckert Filho / Presidência)
A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta quinta-feira (3) a criação de um piso global de renda, proposta apresentada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como medida de proteção mundial.
“Tem efeito inequívoco contra a crise. O Brasil não irá se opor a uma taxa financeira mundial, se isso for um consenso entre os países a favor da ampliação dos investimentos sociais”, disse Dilma durante reunião de líderes do G20 em Cannes, na França.
Dilma Rousseff voltou a defender os investimentos sociais como medida anticrise. "A inclusão de 40 milhões de pessoas na classe média foi não somente uma imposição moral como também uma questão de enfrentamento econômico."
De acordo com a OIT, a proposta oficialmente chamada de Piso de Poteção Social "prevê que cada país deveria incluir na oferta de serviços básicos de saúde, independentemente de contribuição, o pagamento de um benefício básico para famílias com crianças, benefícios assistenciais para pobres e desempregados e a manutenção das políticas de garantia de renda para idosos, viúvos, órfãos e inválidos". No Brasil, o Bolsa Família é um benefício parecido com o proposto pela organização.
FMI
Em almoço que marcou o início da reunião do G20, a presidente também afirmou que o Brasil está disposto a contribuir com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para auxiliar na solução para a crise financeira que atinge a Europa.
Pela manhã, antes da abertura dos trabalhos do G20, Dilma participou de encontro com os demais líderes dos Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia e China. Ainda durante a manhã, Dilma teve reuniões bilaterais com o presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, e com o primeiro-ministro de Cingapura, Lee Hsien Loong.
Lula
Durante o almoço, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, pediu a Dilma que transmitisse ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desejos de uma pronta recuperação. Lula foi diagnosticado com câncer de laringe e esta semana deu início a um tratamento quimioterápico. "Nós o amamos'" afirmou Sarkozy, que está na presidência do G20.


TIT / VIA GRITOS DE ALERTA
INF. G1 /AG

2 comentários:

Hamilton disse...

Mensagem do Teólogo Social Hamilton Ribeiro Jr enviada à Presidenta Dilma Rousseff sobre reunião do G20

Exmª Presidenta Srª. Dilma Rousseff, tua biografia revela tua luta contra a Ditadura Militar no Brasil. Lembre-se do apoio do FMI e do Banco Mundial às ditaduras militares em todo o mundo, conforme a crítica internacional. Na reunião do G-20, precisas lutar contra a Tirania Mundial. Não repitas a demagogia do grito do Ipiranga “Independência ou Morte”, pois, o que houve para os brasileiros foi a “Morte da Independência” tornando-se colônia econômica da oligarquia mundial.

O Brasil precisa de líderes que defendam a sua independência da ditadura econômica, imposta pela tirania globalizada, que mantém as nações refém do colapso financeiro desencadeado pelos planos econômicos.

O Brasil não precisa se submeter a esse sistema desumanizante.

Presidenta Dilma, o Brasil, dos brasileiros, precisa de “Independência e Dignidade”. Queremos Ordem para o Brasil e Progresso para os brasileiros. Nossas riquezas são suficientes para vivermos com dignidade e eqüidade, se não houver corrupção e politicagem.

A dignidade dos brasileiros não é moeda de troca. Não queremos um país, apenas, rico nos relatórios do Banco Central e miserável no Banco Social.

Por amor aos brasileiros, lute pelo bem de nosso povo.

Salmo 37:12-17 diz: "Trama o ímpio contra o justo e contra ele ringe os dentes. Rir_se_á dele o Senhor, pois vê estar_se aproximando o seu dia. Os ímpios arrancam da espada e distendem o arco para abater o pobre e necessitado, para matar os que trilham o reto caminho. A sua espada, porém, lhes traspassará o próprio coração, e os seus arcos serão despedaçados. Mais vale o pouco do justo que a abundância de muitos ímpios. Pois os braços dos ímpios serão quebrados, mas os justos, o Senhor os sustém."

Hamilton disse...

CRISE ECONÔMICA MUNDIAL:
Premissas e Princípios Solucionadores


CONSIDERAÇÕES ELEMENTARES
Consciência social Global
Inteligência Social
Amor ao Próximo
PERDÃO ECONÔMICO INTERNACIONAL
Perdão das dívidas pelo FMI e Banco Mundial das nações endividadas, com pagamento de “pena soci-al“ ao Planeta e a Humanidade com a finalidade de gerar equilíbrio e eqüidade social.

PACTO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA
Estabelecimento de teto de gastos supérfluos, desnecessários ou irrelevantes socialmente, às nações que receberão o perdão das dívidas, cha- mado Pacto da Economia Solidária. No caso de inobservância, o responsável legal da nação per-derá o seu mandato governamental, sendo aplica-do a qualquer sistema de governo.
Todas as nações que resistir ao Pacto e as medi-das de estabilidade da economia mundial terão o direito de viver com sua economia sem qualquer retaliação econômica ou social, no entanto, não poderá desfrutar dos bônus da economia solidári-a, haja vista, que as medidas necessitarão de planejamento e consenso das Nações envolvidas.
Criação do Direito Econômico Internacional.

CONSÓRCIO ECONÔMICO MUNDIAL
As nações que participarem do Consórcio Econômi-co Mundial terão voz e voto de igual valor. Sendo proibida a criação de mecanismo ou organi-zação, que tenha o poder de controlar e ditar as ordens nos planos econômicos dos países. Cabendo aos representantes das nações respeita- rem os pactos e acordos deliberados, sempre res-guardando o princípio de soberania de cada nação.


PRIORIDADE DO INVESTIMENTO DAS NAÇÕES
Priorizar os investimentos para o Desenvolvi- mento e a Sustentabilidade do Planeta.

UNIÃO COM INDIVIDUALIDADE E LIBERDADE
União de forças e colaborações das Nações sem perder a individualidade.
Não será criado nenhum sistema unificador que pretenda universalizar a economia das Nações através de um mecanismo manipulativo e/ou opres-sivo;

DESPESAS DE GUERRA
Reduzir investimento em material bélico. Nenhum governante poderá gastar mais nas Guerras do que em cultura de Paz.
Criação de Cartório de Paz para tratar dos con- flitos e guerras econômicas que frutos da intolerância e tirania econômica.

TETO PARA RIQUEZA INDIVIDUAL
Estabelecimento de teto máximo de riqueza que o indivíduo pode reunir em seu domínio. Garantindo, assim, uma maior distribuição das riquezas de uma pequena oligarquia mundial para a maioria da população.

EQUILÍBRIO SOCIAL: SUPER POPULAÇÃO
Programas de Prevenção contra a Natalidade precoce ou irresponsável.

GERAÇÃO DE EMPREGO
Criação de emprego solidário.
Reforma da Legislação trabalhista.

ENDIVIDAMENTO OU ROUBO DOS RECURSOS PÚBLICOS
Corrupção e crimes de improbidade administrativa, devolução dos bens aos cofres públicos e a pena máxima da justiça do país.

NACIONALIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO E DA RIQUEZA NACIONAL
Todas as empresas e projetos que fazem a extração das riquezas nacionais da nação devem ter como acionistas majoritários, ou o Estado, ou os cidadãos daquele país.
O lucro de exportação deverá ser transformado em benefícios sociais que garantam efetivamente a melhoria da qualidade de vida da população do entorno social. Será feita uma auditoria criada através de sorteio entre os cidadãos, sem a mínima condição de haver suborno ou manipulação no relatório dos mesmos.

EMIGRAÇÃO SOLIDÁRIA POR COTA PLANEJADA ATRAVÉS DE PROJETOS DE RELEVÂNCIA SOCIAL APROVADOS PELOS CONSULADOS
A ocupação de novos espaços territoriais para formação de comunidades produtivas que geram divisas para a nova nação, como pátria soli- dária, será uma estratégia de emigração para equilibrar e maximizar as economias das nações hospedeiras com validação social pelo Estado.


“Para se resolver a crise econômica mundial, precisamos de: Consciência Social Global, Inteligência Social e Amor ao Próximo”

Ensaio Sócio-econômico do Teólogo Social Hamilton Ribeiro Júnior
Palestrante no FÓRUM SOCIAL MUNDIAL